Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou a simplicidade casada com a verdadeira essência de um ser. Venho de uma família onde todos trazem e trouxeram em suas bagagens um código espiritual único e capaz de transformar palavras em frases complexas e simples, que ampliam horizontes e rompem barreiras. Sou filha do vento, da água, da terra e do fogo. Tenho minhas fases e mudo conforme a Lua. Sou a busca do exato, na medida disforme das coisas que vejo, e minha mente transcreve. Hoje criando este blog, mostrarei o que em gavetas escondia. Beleza, sinceridade, sede de transcrever o que minha alma sente ao se deparar com uma folha e um lápis, pois é desta forma que escrevo. Na simplicidade de um canto qualquer, mas com essência pura dos sensíveis.

sábado, 25 de março de 2017

PERPLEXIDADE

Perplexa olhando o enredo na vida
Suas musicalidades foram distanciando os sons
Filas foram formando
Blocos trincados
Fendas nas paredes internas foram se abrindo
Desmancharam-se
Tornando-se pó
Forças se perdem na fraqueza dos sentidos
Emoções apostados num refúgio de tempestades
Rodopio entre os espaços vazios
Na busca das respostas, nada ecoa.
O som não se propaga

Simplesmente apaga...

REPAGINANDO


Neste novo Eu, será a capa do meu livro com a introdução de novos  capítulos não vividos.
Porém, se eu cair novamente nas armadilhas do coração, ressurgirei acompanhada com a sensatez e a lucidez de mãos dadas com a razão.
Virando página por página.
Repaginando a vida na sinopse de detalhes tão meus.
Não será um monólogo e sim um contexto escrito nas linhas que demarcam, que vivi no ontem...
Com a mala mais leve nas  mãos carregarei no preparo do hoje, vislumbrando um amanhã florido de pétalas de rosas perfumadas no jardim de minha existência.

terça-feira, 7 de março de 2017

Detonautas - Você me faz tão bem


SEGREDOS DESNUDOS

Existe versos que nos tocam
Com a mesma intensamente se tivesse boca.
Palavras de ternura, de espera...
De enorme amor, de promessa louca.
Expressões despidas que roçam
Qual a noite que invade meu rosto
Por vezes se recusam
Sem deixar um desgosto
De repente avivadas
Entre vocábulos sem cor
Anunciadas repentinas
Como a inspiração ou o amor.
Palavras que nos conduzem
Aonde a crepúsculo é mais forte
Ao segredo dos amantes
Abraçados sem norte...


sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

ALQUIMIA

Na minha alquimia sai de minha alma
Fui banhar meu corpo no deleite do mar
Rasgar o aço dos músculos do coração
Bordando minhas letras e deixando que viagem dançando
No mundo de uma poetisa em forma de linhas
São nestas linhas que realçam minhas abstrações
Alquimia de um amor
Transformando em poesia os sonhos
Tão discretos ...
Tão entranhados...
Desvanecendo a visão que turva ao longe
Não me perco nas linhas e nem na escrita
São nestes momentos que eternizo as ilusões
Consolido o que reflito
Sem conflito
Sem angustia
Nada além do que pressinto
Minha alquimia regressa em estado de êxtase
Acomodando-se no meu interior e aquieta-se
Adormece entrelaçada por mãos que o afagaram
Nas mesmas linhas que limitam fronteiras
Debruçados lado a lado na minha cabeceira.






quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Ana Moura - Tens os olhos de Deus / Poesia plena, interpretada nesta bela canção dando leveza na alma.

(Letra e Música de Pedro Abrunhosa)

Tens os olhos de Deus
E os teus lábios nos meus
São duas pétalas vivas.
E os abraços que dás,
São rasgos de luz e de paz
Num céu de asas feridas,
E eu preciso de mais,
Preciso de mais.

Dos teus olhos de Deus,
Num perpétuo adeus 
Azuis de sol e de lágrimas,
Dizes: ‘Fica comigo
És o meu porto de abrigo,
E a despedida uma lâmina!’.
Já não preciso de mais,
Não preciso de mais.

Embarca em mim,
Que o tempo é curto
Lá vem a noite
Faz-te mais perto.
Amarra assim 
O vento ao corpo,
Embarca em mim
Que o tempo é curto.
Embarca em mim.

Tens os olhos de Deus,
E cada qual com os seus
Vê a lonjura que quer,
E quando me tocas por dentro
De ti recolho o alento
Que cada beijo trouxer.
E eu preciso de mais,
Preciso de mais.

Nos teus olhos de Deus
Habitam astros e céus,
Foguetes rosa e carmim,
Rodas na festa da aldeia
Palpitam sinos na veia
Cantam ao longe que ‘sim!’.
Não preciso de mais,
Não preciso de mais.

Embarca em mim,
Que o tempo é curto
Lá vem a noite
Faz-te mais perto.
Amarra assim 
O vento ao corpo,
Embarca em mim
Que o tempo é curto.


CAIAÇÃO

Rosto palidez
Vertigens
Horizontes distantes
Nada reluz nos rebentos
Coração parado
Sem pulsação
Esquecimentos...

Caiação
 Sonhos não mais sonhados
Vidas separadas
Nublando os dias
Distanciando as noites
Das festas de alegria
Separação de corpos
Olhos euforia

Caiação
Um borrão na estória contada
Folhas dilaceradas
Suspiros debelados
Mãos sem destino
Caminhos perdidos
Sem um aceno ou despedida
Confidenciou só a partida...

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

COBERTA... DESCOBERTA NA LIBERDADE DE SER

Meu corpo nu, enrolado em um manto
Coberta... Pela descoberta da liberdade de Ser
Nascimento de um romper de explosões de sentimentos
Arcabouço de ilusões refletidas no espelho do aquém...
Na ansiedade de um alguém, que traga um aroma
De flores etéreas perfumando o manto da minha descoberta
De ser um Ser liberto, dos anseios e romper meu casulo
Desabrochando feito uma açucena
No deserto do amor sem ilusão
Serei, jardim, flores, água e solo fértil
Na miragem da areia escaldante
Coberta pela semente, da nascente de ser água cristalina
Almejada pela alma, na candura de um beijo refletido
Nos reflexos de um amor , que ainda vaga
Qual vaga-lume no Oásis da minha descoberta
Que permanece coberta...
Pelo véu que não consigo enxergar...

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

GUARDIÃO DE LUZ



Quando chegastes
O corredor escuro
E sem vida se iluminou
A tua presença se espalhou
Por todos os cantos
Os sentimentos afloraram
Tão violentamente
Que eram sentidos flutuando no ar.
Brilhastes tanto
Que me vi
Refletida em ti.
O carinho transbordou
Do sono acordou
E se fez eterno