Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou a simplicidade casada com a verdadeira essência de um ser. Venho de uma família onde todos trazem e trouxeram em suas bagagens um código espiritual único e capaz de transformar palavras em frases complexas e simples, que ampliam horizontes e rompem barreiras. Sou filha do vento, da água, da terra e do fogo. Tenho minhas fases e mudo conforme a Lua. Sou a busca do exato, na medida disforme das coisas que vejo, e minha mente transcreve. Hoje criando este blog, mostrarei o que em gavetas escondia. Beleza, sinceridade, sede de transcrever o que minha alma sente ao se deparar com uma folha e um lápis, pois é desta forma que escrevo. Na simplicidade de um canto qualquer, mas com essência pura dos sensíveis.

sábado, 17 de junho de 2017

QUEDA IMPRECISA


Suavemente se solta...
Como paraquedista
Voando no espaço interior
Atravessando caminhos incertos
Para aconchegar-se quieta
Num canto qualquer

A natureza se exalta
Ao ver a figurinha amarela
Pelo tempo corroído
Cair por sobre a relva
Uma folha desprendida

Que de uma árvore nascida
A outra vai dar lugar
Pois é da Lei Natural da Vida
Tantas, assim, procederem.

Esta folha singela
De cor amarela
Não saberia que um dia
Seria a figura principal
Desta poesia







terça-feira, 16 de maio de 2017

ENVOLTA NA SAUDADE...

Minha saudade adentra na noite fria. Se pudesses me ouvir e lembrar do tempo que passou e não finda, resides nas minhas conjecturas. Tenho um coração mendigo, que se escusa em pedir perdão. Compreendendo que tudo já perdoo. Enquanto, o violino traduz a música orquestral do nosso primeiro olhar. Neste momento, a saudade evoca os dias em que vivemos nus, entre as brisas do mar a cobrir-nos de encantos. Não é um lamento, mas um passado emaranhado que se eleva no horizonte em pensamentos. Nosso amor foi água que correu e tudo morreu. Envolta na saudade... O amor sempre é sonho, um encanto. Uma dor ou uma mágoa. Riso solto ou pranto. Um manancial de ilusões. Nosso amor foi soprado pelo vento e ao longe se perdeu. Junto levou nossas juras. O que ficou foi o desejo, desde coração que não mais o vejo. Por mais que um dia o amor neste mundo, seja o mais profundo, segue na estrada degradante, que nos lábios de outra amante beijou e se enfeitiçou. Esquecer teu amor, teu corpo encantador, teu beijo abrasador, é queimar os retalhos de momentos que latejam em mim. Minha alma não quer, mas envolta na saudade.... Ainda queima o coração das lembranças que envolveram nosso amor em encantamento.


segunda-feira, 15 de maio de 2017

Hebe Camargo - Você Não Sabe

Você não sabe quanta coisa eu faria
Além do que já fiz
Você não sabe até onde eu chegaria

Pra te fazer feliz

Eu chegaria onde só chegam os pensamentos
Encontraria uma palavra que não existe
Pra te dizer nesse meu verso quase triste
Como é grande o meu amor

Você não sabe que os anseios do seu coração
São muito mais pra mim
Do que as razões que eu tenha pra dizer que não

E eu sempre digo sim

E ainda que a realidade me limite
A fantasia dos meus sonhos me permite
Que eu faça mais do que as loucuras que já fiz

Pra te fazer feliz
Você só sabe
Que eu te amo tanto
Mas na verdade meu amor
Não sabe o quanto

E se soubesse
Iria compreender
Razões que só
Quem ama assim pode entender

Você não sabe quanta coisa eu faria
Por um sorriso seu
Você não sabe até onde chegaria
Amor igual ao meu

Mas se preciso for, eu faço muito mais
Mesmo que eu sofra ainda assim eu sou capaz
De muito mais do que as loucuras que já fiz

Pra te fazer feliz


domingo, 14 de maio de 2017

TUDO TEM RIMA MENOS UMA

Quantas palavras
Escritas e rimadas
Refiro-me a duas palavras
Tão conhecidas
Ditas diariamente
E veio-me a tal conclusão

Pai
Rima com vai, sai
Enquanto,
Mãe
Não tem rima

Tente rimar
Não irá encontrar
Mãe é palavra
Sagrada
Quem nem na Língua Portuguesa
Tem rima
Para tal beleza

Mãe não rima
Rema nas águas
Revoltas
Calmas
Seguindo
Labirintos
Acolhendo seus filhos
Outros
E assim
Por diante
Mãe
É um diamante

Algumas permanecem
Em estado bruto
Outras polidas
Reluz
Conduz
Seus filhos
Pelo caminho
De Luz

sábado, 6 de maio de 2017

Chico Buarque - Apesar de Você


POLÍ E TICO

Polí e Tico são inseparáveis, formaram uma união e colocaram uma aliança perpétua neste casamento. Certo dia, Polí conversando com Tico, desabafou seus medos e receios e lhe fez um pedido. Vamos ter filhos, fazer desta aliança um reluzir aos olhos dos homens.
Tico perplexo concordou.
Logo de início tiveram gêmeos, dois meninos. Eram que nem Caim e Abel, um morria de inveja do outro e suas divergências tornaram-se um desafeto.
Um deles pendendo para o lado militar consolidou por muito tempo um lugar de hostilidade e crueldade.
O outro apaziguador lutou junto com vários companheiros derrubando seu irmão do Poder.
A liberdade de expressão foi tomando parte de mentes que não podiam opinar publicamente seus pensamentos e dali começou uma aliança de ideias para fazer com que Polí e Tico tornarem-se dignos da união que tinham. A empolgação foi tanta, que tiveram vários filhos, a relação começou a desgastar-se.
Motivo, muitos filhos, nenhum controle desajustando toda a família de Polí e Tico. Começaram a surgir os comentários maldosos, comprometimentos, apadrinhamentos, nepotismo, conclusão Polí e Tico ficaram desacreditados.
Surgiu uma grande oportunidade para que em público Polí e Tico subissem no palanque de uma praça de uma metrópole, para fazerem um discurso à altura dos comentários escutados.
Polí iniciou o discurso comentando fatos, realidades e prometendo fazer dos comentários maldosos um grande desafio de mostrar o seu valor diante do povo.
Tico, emocionado com suas palavras completou: Não terá cristão nesta terra que venha desfazer esta união e daqui para frente não seremos mais separados e sim chamados de POLÍTICO.
Quem sabe, não são estes que conhecemos. Até que gostei da história, só tem um, porém, não quis sujá-la remexendo em lixo.
Fiz desta união uma paixão ardente, pois escutamos que fazem tudo por AMOR. 

Porque iria contrariar esta opinião...


quarta-feira, 3 de maio de 2017

Amor meu.

O abraço é novelo de lã, tecendo um ninho nos braços do outro. Aconchego silencioso das angústias do coração. Arqueando suas asas ao vôo mais pleno no entrelaçar dos corpos . Nosso abraço é casaco aquecendo nossos dias , na distância que nos distancia. Amor meu.


sábado, 25 de março de 2017

PERPLEXIDADE

Perplexa olhando o enredo na vida
Suas musicalidades foram distanciando os sons
Filas foram formando
Blocos trincados
Fendas nas paredes internas foram se abrindo
Desmancharam-se
Tornando-se pó
Forças se perdem na fraqueza dos sentidos
Emoções apostados num refúgio de tempestades
Rodopio entre os espaços vazios
Na busca das respostas, nada ecoa.
O som não se propaga

Simplesmente apaga...

REPAGINANDO


Neste novo Eu, será a capa do meu livro com a introdução de novos  capítulos não vividos.
Porém, se eu cair novamente nas armadilhas do coração, ressurgirei acompanhada com a sensatez e a lucidez de mãos dadas com a razão.
Virando página por página.
Repaginando a vida na sinopse de detalhes tão meus.
Não será um monólogo e sim um contexto escrito nas linhas que demarcam, que vivi no ontem...
Com a mala mais leve nas  mãos carregarei no preparo do hoje, vislumbrando um amanhã florido de pétalas de rosas perfumadas no jardim de minha existência.