Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou a simplicidade casada com a verdadeira essência de um ser. Venho de uma família onde todos trazem e trouxeram em suas bagagens um código espiritual único e capaz de transformar palavras em frases complexas e simples, que ampliam horizontes e rompem barreiras. Sou filha do vento, da água, da terra e do fogo. Tenho minhas fases e mudo conforme a Lua. Sou a busca do exato, na medida disforme das coisas que vejo, e minha mente transcreve. Hoje criando este blog, mostrarei o que em gavetas escondia. Beleza, sinceridade, sede de transcrever o que minha alma sente ao se deparar com uma folha e um lápis, pois é desta forma que escrevo. Na simplicidade de um canto qualquer, mas com essência pura dos sensíveis.

sábado, 19 de maio de 2018

HAUSER - Oblivion (Piazzolla)


SUBLIME TEMPO


Quero sempre ter a capacidade de amar
Viver plenamente os momentos
Renascer de situações já vividas
Ah! Este sublime tempo
Que aconchega o vazio d'alma
Na amplidão dos sentidos
Quero sempre ser capaz
De não contar os minutos,
Simplesmente vivê-los

Não pedir...
Para tempo...

Quero deixar fluir os anos
Na rapidez de um cometa
Agradecer por tudo e muito mais
Esquecer as arranhaduras
Enxergar o sublime, a fé
Esperança, de estar aqui...

Meditando em harmonia e sintonia
Firmadas na própria existência
Ressurgir de tempestades
A bonança instalando-se aos poucos
Aparece um lindo arco íris
Sou sobrevivente do passado
Dos momentos intermináveis
Que terminaram, sobrevivi

Porque na vida temos escolhas
E a minha, é crer em Deus.

segunda-feira, 14 de maio de 2018

O MUNDO DE UMA POETISA


Tenho muitos momentos,desenho,escrevo é admirável este mundo que me cerca e me faz voar além de mim.Este desenho tem direitos autorais (Sandra Helena Queiróz Silva)

sábado, 12 de maio de 2018

SENTES FALTA... SINTO TAMBÉM...


Sentes falta...
Sinto também...
Dos caminhos percorridos
Vividos
Entre os lençóis

Sentes calor...
Sinto também...
Um calor devorador
Queima a pele
Arde o desejo
Pulsa o coração
É pura emoção

Sentes falta...
Sinto também...
O mar nos espera
Aumenta suas ondas
Chegando ao seu limite
A procura de nós dois

Sentes falta...
Sinto também...
O desencontro
Tomou rumos
Caminhou sem destino
Num desatino de amor

Será
Que sentes falta...
Por que
Sinto também...




quinta-feira, 3 de maio de 2018

ANDARILHOS DO UNIVERSO.

Os olhos refletem a luz dos caminhos escarpados levando ao abismo do encontro nas entranhas encharcadas de lamúrias.
Abrem brechas de sofreguidão no lamento da saudade que se esvai no infinito ou horizonte demarcando uma linha de chegada ou que se finda...
Andarilhos de mãos desgastadas pelo tempo, com as vestes humanas roídas com seus retalhos de sentimentos mal vividos.
São lampejos de sombras em um túnel sem lamparina a procura da luz própria ou preces que sejam proferidas ao acalento de seus corações.
Ultrapassam o som com suas vozes em coro cantando a música da esperança no Universo.
Unidos formam elos formando uma corrente fluídica de pouco brilho que volitam entre os espaços vazios e floridos de arcos irisados espargindo bálsamos salutares.
Um preparo letárgico ao descanso nas esferas interiores de cada alma sofrida e resgatada
Prisioneiros libertos da escuridão no túnel vazio com feixes de luzes a piscar levando-os a Pátria Mãe.