Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou a simplicidade casada com a verdadeira essência de um ser. Venho de uma família onde todos trazem e trouxeram em suas bagagens um código espiritual único e capaz de transformar palavras em frases complexas e simples, que ampliam horizontes e rompem barreiras. Sou filha do vento, da água, da terra e do fogo. Tenho minhas fases e mudo conforme a Lua. Sou a busca do exato, na medida disforme das coisas que vejo, e minha mente transcreve. Hoje criando este blog, mostrarei o que em gavetas escondia. Beleza, sinceridade, sede de transcrever o que minha alma sente ao se deparar com uma folha e um lápis, pois é desta forma que escrevo. Na simplicidade de um canto qualquer, mas com essência pura dos sensíveis.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

NOSTALGIA

 
Vamos brindar em taças de cristal os reflexos dos teus olhos refletidos nos meus.
Extasiados de satisfação do mero sorriso-olhar que flutuam entre os desalinhados pensamentos que correm e querem se abraçar de uma forma sem igual.
Há um sentimento para tanto querer, em cada olhar que fala, esboça toda a sensualidade contida, vivida e sem medo de entregar-se novamente.
Nossos olhares se fixam em pontos cardeais, nos levando em direções que permitimos ir, sendo desviados pelos impulsos mais puros e ingênuos de amar.
São nos teus olhos que percebo a separação que nos distancia.
Os momentos emudecidos e refreados em alaridos de amargura.
São neles que queremos nos perder e nos achar sem os rótulos convencionados de ser iniquidade.
Há em cada expressão uma aurora suspensa com uma noite estrelada.
Debruçarei neste piano para tocar a nossa música, quão pano de fundo de todas as sinfonias orquestradas dos nossos prelúdios.
Sentindo em cada nota tocada, o vibrar de nossos corpos dançando o ritmo frenético das branduras que habitavam cada forma de ser nos atos contínuos que atuamos juntos no enveredar da paixão.
Sentirei que o teu olhar estará fixo aos meus e os meus nos teus, qual o dia em que nos vimos e nos tornamos coniventes.
Sem deixar cair no esquecimento o que sentimos, amamos na musicalidade de todas as emoções e o néctar desprendendo de nossos poros em desejos de quero mais...
Nostalgia de sonhos alados se perdendo na vastidão dos meus olhos que campeiam incessantemente os olhos teus...

 

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário