Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou a simplicidade casada com a verdadeira essência de um ser. Venho de uma família onde todos trazem e trouxeram em suas bagagens um código espiritual único e capaz de transformar palavras em frases complexas e simples, que ampliam horizontes e rompem barreiras. Sou filha do vento, da água, da terra e do fogo. Tenho minhas fases e mudo conforme a Lua. Sou a busca do exato, na medida disforme das coisas que vejo, e minha mente transcreve. Hoje criando este blog, mostrarei o que em gavetas escondia. Beleza, sinceridade, sede de transcrever o que minha alma sente ao se deparar com uma folha e um lápis, pois é desta forma que escrevo. Na simplicidade de um canto qualquer, mas com essência pura dos sensíveis.

quinta-feira, 8 de março de 2012

INCÓGNITA




Porque falas e não decifras
Deixou-me curiosa
Suas palavras já são lapidadas
Pouco importa que o passado evidencie...
São lidas, em cantos, sacadas...
Música ao fundo
Luz do abajur

Porque falas que não sei...
Que um dia talvez, saberei...
A idade te acalenta?
Os traços marcados o que mostram?
São incógnitas indecifráveis?
São textos inacabados...
Somente sei que ao ler-te
Sou capaz de abreviar o tempo
Dissimular os anos
Complementando em versos

Um dia quem sabe
A linha do tempo rompe-se
A luz atenue
A vida floresça dos refolhos deixados
Quem sabe por fazer...
Continuidade de um tempo
Que marcou presença na vinda
Porque da partida não posso falar...


Surge daí a grande INCOGNITA...

Um comentário:

  1. Sandra
    Minha Poetiza
    Quando notamos que o futuro já não faz parte dos nossos planos,
    nos agarramos ao passado. São consolos que nos confortam e nos enche a alma.
    Por isto acho que ainda é muito cedo para preocupar-te.
    Tua poesia é “o concour”, belíssima.

    ResponderExcluir