Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou a simplicidade casada com a verdadeira essência de um ser. Venho de uma família onde todos trazem e trouxeram em suas bagagens um código espiritual único e capaz de transformar palavras em frases complexas e simples, que ampliam horizontes e rompem barreiras. Sou filha do vento, da água, da terra e do fogo. Tenho minhas fases e mudo conforme a Lua. Sou a busca do exato, na medida disforme das coisas que vejo, e minha mente transcreve. Hoje criando este blog, mostrarei o que em gavetas escondia. Beleza, sinceridade, sede de transcrever o que minha alma sente ao se deparar com uma folha e um lápis, pois é desta forma que escrevo. Na simplicidade de um canto qualquer, mas com essência pura dos sensíveis.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

PRISIONEIRA


Vesti minha túnica humana e fiquei prisioneira 
do mundo feito de enganos, onde canto e me exalto.
E tu que nunca reparas nem sabes, que sou alma rara.
Sei que me medes, me pesas, me observas, me destilas.
Revolto-me, fujo e entristeço.
Crio asas e voo no silêncio como a abelha de flor em flor, fabricando mel sem colmeia...
Nasci livre, como o vento.
Eu quero, apesar da minha idade, que este amor sufocado ainda se expanda.
E dentro da minha ternura, nestes instantes de beleza calma, presa neste amor confuso meu ser se transfigura.
Por que sinto que o amor é luz e a mais alta manifestação do ser.


Nenhum comentário:

Postar um comentário