Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou a simplicidade casada com a verdadeira essência de um ser. Venho de uma família onde todos trazem e trouxeram em suas bagagens um código espiritual único e capaz de transformar palavras em frases complexas e simples, que ampliam horizontes e rompem barreiras. Sou filha do vento, da água, da terra e do fogo. Tenho minhas fases e mudo conforme a Lua. Sou a busca do exato, na medida disforme das coisas que vejo, e minha mente transcreve. Hoje criando este blog, mostrarei o que em gavetas escondia. Beleza, sinceridade, sede de transcrever o que minha alma sente ao se deparar com uma folha e um lápis, pois é desta forma que escrevo. Na simplicidade de um canto qualquer, mas com essência pura dos sensíveis.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Vestida de flores

Hoje me vesti de flores perfumadas e delicadas
Nas linhas que demarcam o ontem e o hoje
Sensação de um viço
Vinha do mar... Respirei o ar puro daquela noite enluarada
Coloquei meu vestido de renda e sai sem destino
Meus pés tocavam a areia alva com as águas a refrescar
O brilho da Lua bailava sobre as ondas com o meu assoviar
Uma canção antiga para quem ama, não a tempo de escutar.
Os olhos apreciavam o céu e contei as estrelas
Luzes foram cobrindo o caminhar com a leveza da minha alegria
Sorriso largo rindo para a vida
Um sorriso que emocionava e lágrimas caiam presenteando um novo dia
Despertar de mãos, coração, pulsação neste mesclar de pura paixão.
O instante dessas andanças calçou o presente... Suspirei num futuro...
Onde os luares terão mais brilho e o céu recheado de estrelas




domingo, 27 de julho de 2014

Sonharia tudo outra vez...

Os meus olhos adormeciam aos poucos em pensamentos desalinhados
Adágios permeiam um desejo ou quem sabe uma realidade...
Aos poucos qual névoa a cobrir-me inicia o sonho.
Surge em meu quarto um homem que se instala sem pedir licença.
 Entra e arrebata os meus sentidos com um amor sedutor e fugaz. Nossos olhares se cruzam sem apresentação, toques sutis com uma linguagem de gestos que se comunicam entre si.
Lançamo-nos entre os lençóis seminus, a descoberta sutilmente entremeia entre os verbos soltos e sem pudores ao silencio de sentir.
Dos delírios ao ápice de todos os momentos, os corpos descansam do êxito de mais um encontro de dois corações que batem uníssono.
A seiva escorre por entre as lágrimas de alegria do ato consumado. Uma ânsia louca de um querer sem freios, sem receios e não temendo o medo de um bem querer.
Aos poucos o homem vai se esvaindo deixando um perfume amadeirado. Meus sentidos paralisados do instante relâmpago, procura pelos cantos. Mas, ele se foi... As cortinas se agitam, a janela se abre e nas nuvens dissipa-se com o vento que o trouxe e levou... Para um sono profundo num lugar distante onde vive ou nunca morou... E quem sabe um dia ele retornará... Deixando-me sonhar mais uma vez...



sábado, 26 de julho de 2014

Aguce meus sentidos entorpecidos





Neste instante quero que apagues a luz e deixe tua penumbra formando uma silhueta somente com a luz do abajur. Aguce meus sentidos entorpecidos de tanto querer. Não penses que tudo é encaixe de corpo nu, complemento. Sentirei você em meus braços e dançaremos uma música de amor e o corpo vibrará nas emoções... Enxergarás no meu olhar para sentires o que sempre esperei. Um tempo que rompeu os elos e em outro tempo soldou. Sinto tuas mãos, teu calor, a respiração tão ofegante perturbando os sentidos neste roçar de pernas que dançam o prenuncio do que surgir. Inicia um então... Ou nada mais que um pulsar de coração. Sucumbirás diante dos meus apelos eriçando os pelos. Um arrepiar que atiça e transforma a silhueta nas formas que quisermos. Nesta vibrante luz que nos faz dois em um, serei a serenata nas tuas emoções e este amor será canção em minha voz. Pois, eu pronunciarei que te desejo e que permaneças em mim eternizada. Sem hora de sair ou ir, vem me abraça e deixa o mundo parar por nós, no instante que apagares toda luz. Vestiremos a roupa de um vaga-lume para não nos perdermos no escuro. Envolto de nossos delírios as luzes piscarão em lampejos de contentamento. Voltaremos de nossos sonhos, sem a silhueta a bailar, sem o corpo arrepiar...


Evolução

A paisagem vestida de sol com nuvens que adornam em pequenos flocos a pairar com a brisa que sopra de leve. Percebo as cores tingidas com diversos matizes pinceladas pelo Universo. Detalhes tão perfeitos, exatos que não há o que ter dúvida de tal perfeição e do seu Arquiteto. Conseguiu colocar em cada lugar um ponto de interesse ao ser humano. Fez o mar, as matas, os campos, as montanhas, os rios, cachoeiras, calor, vento, neve, frio... Criou as estações para que o ano não se tornasse monótono. Sabendo que não iria agradar a todos, fez de cada estação um ponto de equilíbrio entre o homem e a natureza. Somos um pouco de cada estação, com suas paisagens e seus contrastes. Para podermos sair desta monotonia e não deixarmos findar num monologo. Somos peças de teatro neste contexto de atos, figurantes diversos para podermos recriar a nós mesmos. Assim sendo, formaremos os laços e as lições que sempre estamos aprendendo e reciclando. Para que a nossa natureza permaneça com cores avivadas, usando as primárias e secundárias. Deixando a tela da vida com a esperança que a natureza há transformações e que no homem não seria diferente. Evolução.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

IL DIVO "SI TU ME AMAS"


Um filme... Num tempo...






Perdida no silencio dos meus pensamentos, envoltos de beleza e sutileza das palavras que pronuncias. Soletras as palavras que tiras de minha boca com a leveza de entender e decifrar de longe... Permeiam a solidão e trazem de volta junto com o arco-íris no horizonte. Esperança... Viajo solta entre os pensamentos e deleito-me nos anseios que caem em pequenas gotinhas no mar, minhas lágrimas de sentimento de existir e experimentar. Mergulharei para que a brisa sopre de leve meu corpo nudez. Deixando-me leve nas brumas, de tal modo descansarei num torpor de delírios sem os beijos teus. Ao longe vibraremos em uma emoção de felicidade plena e constante. O momento delimitou um novo tempo de filmes que reprisam, e outros que ainda estão em cartaz. Somos um trailer na programação, pronto para serem ensaiadas as últimas cenas, um filme de amor.