Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou a simplicidade casada com a verdadeira essência de um ser. Venho de uma família onde todos trazem e trouxeram em suas bagagens um código espiritual único e capaz de transformar palavras em frases complexas e simples, que ampliam horizontes e rompem barreiras. Sou filha do vento, da água, da terra e do fogo. Tenho minhas fases e mudo conforme a Lua. Sou a busca do exato, na medida disforme das coisas que vejo, e minha mente transcreve. Hoje criando este blog, mostrarei o que em gavetas escondia. Beleza, sinceridade, sede de transcrever o que minha alma sente ao se deparar com uma folha e um lápis, pois é desta forma que escrevo. Na simplicidade de um canto qualquer, mas com essência pura dos sensíveis.

domingo, 24 de fevereiro de 2013

MUDANÇAS



Quando a vida floresce
A vida torna-se um imensurável pote de alegrias
Transborda pelas bordas
Lambuzando o coração com deliciosas emoções
Para tudo há um tempo
Tempo de florir, de cair, de murchar e de florescer novamente.
Assim é os anos de nossa vida, para cada momento um acontecimento.
Quais as estações do ano, outono, inverno, primavera e verão.
Somos outonos quando amenizamos as dores e dissabores
Somos inverno quando nos agasalhamos no ser amado
Somos primavera quando deixamos a vida desabrochar em flores e perfumes
Somos verão quando permitimos que luz ultrapasse os lugares mais escuros que carregamos na alma.
E desta forma, seguimos caminhando por várias estações sem definições.
 Por sermos vulneráveis a tudo e a qualquer mudança
 O novo nos assusta, contudo nos impulsiona para frente.
 Projetando o melhor de nós, para nós e para quem nos segue.
 A vida floresce, os tempos emudecem na latente forma de cada SER.




6 comentários:

  1. Olá Sandra
    Realmente, assim é a vida, um eterno mudar de estações, o importante é que estejamos preparados para curti-las.
    Bjux

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Wanderley!

      Quanto tempo, saudades de seus comentários. Beijos de luz!

      Excluir
  2. Sandra,
    Não tenho palavras para comentar, simplesmente maravilhosa, superastes todas as barreiras. Um grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Afonso querido,

      Suas palavras edificam o alicerce da minha escrita.Seus comentários sempre enfatizam e maravilham esta que escreve.

      Beijos Iluminados!

      Excluir
  3. O PAPEL E O POETA

    Não quero mais ser um coadjuvante
    Para ser lembrado apenas por um lapso.
    Estou farto de pensamentos disfarçados em abstrato
    Ziguezagueando por entre linhas de raciocínio.

    Quem é o criador?
    O poeta que se torna escravo de suas musas
    Ou o papel que as alforria silenciosamente?
    Perguntas sem respostas
    Cuja desculpa se encontra
    No último parágrafo.

    Cansei de ser o fardo de uma pena
    E depósito de frustrações.
    Quero libertar-me desse jugo
    E prender-me em minhas próprias idéias – ou:
    Ser o personagem da minha própria pessoa.

    Quero atuar em meu próprio mundo,
    Ser a minha gramática,
    Sem uma sentença que me condene.

    Quero descobrir o meu verdadeiro papel,
    Poder enxergar a mim mesmo.
    Não sobre uma escrivaninha fria e empoeirada
    Que o tempo deixou no esquecimento,
    Mas sim em cada alma,
    Em cada poesia.


    ( Agamenon Troyan )
    Skype: tarokid18

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sempre bom poder ler um poema, poesia vinda d'alma.Sua escrita brota e surge bordando este blog com palavras tão belas.

      Excluir