Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou a simplicidade casada com a verdadeira essência de um ser. Venho de uma família onde todos trazem e trouxeram em suas bagagens um código espiritual único e capaz de transformar palavras em frases complexas e simples, que ampliam horizontes e rompem barreiras. Sou filha do vento, da água, da terra e do fogo. Tenho minhas fases e mudo conforme a Lua. Sou a busca do exato, na medida disforme das coisas que vejo, e minha mente transcreve. Hoje criando este blog, mostrarei o que em gavetas escondia. Beleza, sinceridade, sede de transcrever o que minha alma sente ao se deparar com uma folha e um lápis, pois é desta forma que escrevo. Na simplicidade de um canto qualquer, mas com essência pura dos sensíveis.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Poema ao sol – Em dueto Atanazio Lameira e Sandra Queiróz


Astro rei, cravado no céu / No seio do Universo. 

Brilha mesmo que os homens não queiram/ Nada ofusca seu brilho

Ilumina/ Almas vazias

Esquenta/ Corações congelados

Alimenta / Os sonhos inacabados

Seus raios são de cores variadas/ Vermelho escarlate

Seu calor é incontestável / Aquece as emoções

Observa calado/ A rotina dos homens

Lá está ele / Seu trono ninguém desbanca

Sempre ele/ O astro Rei 

Todos os dias/ Brilha como ninguém

Querer chegar próximo do rei / Seja humilde

Não é tarefa fácil / Os homens não são capazes

Muitos tentaram / Mas a sombra impediu

Mas ele continua intocável/ Quantos tantos aqui também 

São armas / Desprovidas de balas 

São defesas naturais que ele contém / Antídoto contra invasores

O homem imagina / Mas não é capaz

Mas não tem certeza sobre ele/ Sabe que é rei, brilha e queima 

Procuram entendê-lo/ Copiá-lo talvez. 

Mas ele continua sendo um astro / Desta nossa Constelação

Cheio de enigmas/ Indecifráveis

Cheio de mistérios / Ainda não descobertos

Quanto calor/ Abrasa os dias frios 

Quanta beleza/ No romper da aurora

Doce presença/ Edifica o dia

Doce criança/ Que aconchega estações

Diga lá onde passas à noite? Espiando a Lua

Diga onde quer brincar?Nos recantos divinos

Estou aqui / Preciso do teu calor 

Pobre de mim / Aquece minhas entranhas

Estou aqui embaixo, sob o sol/ Escaldado de alegria.

Vibro com ele/ Em plena sintonia 

Sei quem é ele / Em dias fadigados

Por outro lado não o conheço/ Pertencemos à natureza 

Mas compartilho com ele todos os dias/ A alegria de seu brilho

Despede-se humildemente / Devagar ao poente

Quando nesse belíssimo momento / Eclode do outro lado

Aparece a lua/ Fazendo um poema, com os poetas encalorados.



Fábrica de Sonhos - Em dueto Afonso Prates da Silva e Sandra Helena Queiróz Silva


Quis fabricar sonhos / Repartir alegrias
Sonhos felizes / Realizações diversas
O caminho é difícil/ Percursos e percalços
Caminhei pela estrada da vida/ Sonhando
Tropecei na divergência / Solitário estava
Encontrei a solidão / Achei a fábrica de sonhos
Esbarrei no amor/ O amor esbarrou em mim
O caminho é difícil/ Desistir não é meu lema
Encontrei pedras/ Atirei no abismo
Pedras atiradas pelo vento/ Viraram nuvens
Segui o caminho sozinho/ Na companhia de Deus
Desistir nunca / Nasci com perseverança
Fabricarei sonhos/ Esboços de felicidade
O caminho é difícil/ Travei batalhas interiores
A vereda é longa/ Conquistas a frente
Cheia de curvas / Sinalizando os perigos
Curvas sinuosas do destino/ Seguindo meu tino
Tropeço na saudade/ Dos sonhos perdidos...
Continuo seguindo a estrada/ Este é o meu caminho
Esperança/ De paz, amor e respeito.
O caminho é íngreme/ Chegarei ao topo
Já não tenho forças / Meus sonhos esvaem
Suplico à Deus/ Olhai por mim
Dá-me força Senhor/ Peregrino solitário
Não consigo fabricar sonhos/ Somente os meus
Guiado pela senda/ Guia-me para um sonho maior
Do real à fantasia/ Lúdica magia
 Da escuridão para a claridade/ Das amarras ao vôo livre
Luz divina/ Anjo guardião
 Sonhos são mensagens de Deus/ Na visão realista
Enviadas por anjos/ Arcanjos e Serafim
É impossível fabricar sonhos/ Pois meus sonhos nunca têm fim...


sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

SOLIDARIEDADE


CONTRASTES I

Nos contrastes da vida
As cortinas se abrem
Os atores da vida atuam
São contrastes

Há os mudos que falam pelos olhos
Há os surdos que falam por sinais
Há os cegos que enxergam além d’alma
Há os deficientes físicos, locomovem-se feito cometa.

Nestes contrastes
O ritmo da vida
Baila por todos os lugares
Não são apenas contrastes
São sinais
Evidenciando o romper de barreiras
Preconceitos
Lugares a mais

Sem contraste
A vida é vazia
Os olhos não enxergam
Sentem
Acolhe
Ama

Somente nos contrastes
Que conhecemos o outro
Sensibilidade
Garra
Vitórias
Histórias
De muitas vidas...

CONTRASTES II


Nos contrastes
Olhamos o mundo
Em mil faces
Culturas diversas
Misturadas
Concluídas
Inacabadas

Há países
Povos
Cultura
Magia
Paraísos escondidos
Revelados
Procurados

Ruínas do passado
Ruínas de governos
Governo em ruínas
Povo que sofre
Povo que luta
Povo calado
Desta pátria
Mãe gentil
Madrasta vil


CONTRASTES III

De todos os contrastes:
Há o amor e ódio
Há traição e o perdão
O pecado e a remissão
O desespero e a calma

O sexo e a sedução
O pobre e o rico
O gordo e o magro
O faminto e o alimentado

Contrastes que distorcem os olhos
De quem clama por justiça
Que presencia todos os dias
Discórdia
Guerras Urbanas
Policias de campana
Morros lotados
Crianças a mercê
Políticos de mãos dadas
Povo Trabalhador...
Conquistas esparsas
Nepotismo
Fanatismo de um mundo
De contraste
Na visão de um povo sofredor

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

BELO DUETO MUSICAL


Não existe fim como infinito é o céu - Em dueto Atanazio Lameira e Sandra Queiróz



É tão bom saber que existe / Um lugar que nos espera
 No mundo pessoas do bem. / Na vida driblam os maus
É tão bom saber que existe / Guerreiros das trevas
Anjos que nos ajudam a viver/ Dissipam os medos, arremedos.
 É tão bom saber que o universo / Abriga seres diversos
Está em comunhão / Dividindo sabedoria
Cada um de nós / É um feixe de luz
Sabe a razão do amor / E o conduz
Que trás no coração / Lembranças da vida
E o ser humano renasce / Nas nascentes da mente limpa
– Em cada pétala de flor, / Chuvas caindo do infinito.
 Em cada abelhinha fazendo o mel/ Colméias abrigando sustento
É tão bom saber / Que a natureza harmoniza
Que não existe fim / Recomeçamos sempre
Como infinito é o céu/ Olho o céu e vejo o infinito...

Sem amor padecemos - Em dueto Atanazio Lameira e Sandra Queiróz


Não adianta computador avançado / Conexão de vidas
Se o ser humano não for cuidado / Opiniões divididas
Não adianta o dinheiro guardado / Esperando o tempo chegar
Se a esperança está no passado / Dos momentos que vivemos
Não adianta carro luxuoso / Carruagens da luxuria
Se na verdade / De amor padecem
 Não sabemos o que é virtuoso / Sagrado, sacramentado.
 Não adianta mansão / Se os cômodos isolam pessoas
Se não houver amor – A vida simplesmente se esvai
No coração / Crateras de lágrimas


sábado, 7 de janeiro de 2012

A maravilha de sentir a existência de Deus - Em dueto Athanazio Lameira e Sandra Queiróz


Quando estamos amparados / Cobertos de alegrias
Sorrimos / Cantarolamos canções
Sentimos nosso coração bater mais forte / Um pulsar acelerado
Quando somos amados / Guardamos o amor no peito
A vida tem sentido / Um mundo colorido
Conseguimos enxergar melhor / Inspirações em versos
Nosso futuro / Só o amanhã pertence...
Não temos medo / Super-heróis da realidade
Temos a certeza/ De revelações
Da existência de Deus./ De nascer e morrer...

O sonho e a vida - Em dueto Athanazio Lameira e Sandra Queiróz

O sonho faz parte da vida / Realização contínua
Todos nós deveríamos sonhar / Sonhos edificantes
Precisamos de planos / Metas a cumprir
Objetivos para a vida ter graça / Impulsiona o bem-estar
Nada está pronto / Construção na mente
Tudo está por fazer / Aprimorar os horizontes
Cada dia um verdadeiro mistério / Sob o véu do Universo
Uma descoberta / Em pequenos gestos
Uma sensação diferente / A cada sonho realizado


FORÇA ESTRANHA

Incrível Dor – Em dueto Afonso Prates da Silva e Sandra Queiróz




Dor que aperta a alma / Altera os sentidos
Dor que comprime o olhar / Visualiza um menino

Dor que sacrifica e penaliza / Horas a fio
Dor que te faz pensar/ Na obra divina

Dor que maltrata / Para nascer
Dor que aflige / Todo meu ser
Dor que sufoca / Gritos contidos
Dor que transpira amor / Amor que transpira dor

Dor solitária / De ser mãe
Dor que te faz sofrer / Chorar de alegria
Dor que vai e volta / Feito dor da partida
Dor que te dá saudade / Incrível dor
Dor que te deu a vida/ Do nosso amor...


segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

O AMOR QUE VEM DE NÓS


O AMOR QUE VEM DE NÓS
SÃO CANÇÕES QUE CANTAMOS
EMBALOS DE EMOÇÕES CONTAGIANTES
MINHA VIDA ENTRELAÇOU NA SUA
FORMAMOS UM AMOR SEM HORIZONTE
TEU CORPO ENCAIXA NA FORMA PERFEITA
SINCRONIA EM RITMOS COMPASSADOS
BAILAMOS NO UNIVERSO DE EMOÇÕES
DESTE AMOR QUE VEM DE NÓS
EXALANDO PERFUME AO LONGE
ENCANTA OS JARDINS DE AURORA
SALTITA EM PASSOS MIUDOS AO VENTO
BRINCA POR ENTRE AS NUVENS
FORMAM CORAÇÕES SEM FLECHA
CUPIDOS VOLITAM
COBRINDO DE CARINHO ESTE AMOR
QUE VEM...
 DE NÓS, SEM NÓS
FORMAM LINDOS LAÇOS
DA UNIÃO QUE FAÇO