Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou a simplicidade casada com a verdadeira essência de um ser. Venho de uma família onde todos trazem e trouxeram em suas bagagens um código espiritual único e capaz de transformar palavras em frases complexas e simples, que ampliam horizontes e rompem barreiras. Sou filha do vento, da água, da terra e do fogo. Tenho minhas fases e mudo conforme a Lua. Sou a busca do exato, na medida disforme das coisas que vejo, e minha mente transcreve. Hoje criando este blog, mostrarei o que em gavetas escondia. Beleza, sinceridade, sede de transcrever o que minha alma sente ao se deparar com uma folha e um lápis, pois é desta forma que escrevo. Na simplicidade de um canto qualquer, mas com essência pura dos sensíveis.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

NÃO DEIXE O CAFÉ ESFRIAR



Luz fraca, uma xícara de café
Silêncio companheiro
Lembranças adoçavam
Meus momentos
Nas mãos sentia o calor
Pequenos goles
Pensamento longe
Precipitando nos cantos
Reflexos de saudade
Longe está... Vai ficar...
Na distância, distancia
O querer encontrar

Abraçar
Na realidade presente
Compartilhar o café quente
Prontinho para tomar
Cheiro de bolo
Derretendo a manteiga
Desta forma relembro
Tardes de frio
Tínhamos horários certos
Café da tarde em família
Hoje o café que saboreio
É requentando
Mal passado

Está quente ou frio
Esperando por goles
Sem sabor
Sem o calor
O café esfriando
Na sala vazia
Relembrando o passado
Insistindo em ficar




2 comentários:

  1. Oi Sandra
    Pena as coisas mudam e passam a fazer parte apenas de nossas lembranças, infelizmente o tempo não volta e temos que acostumar com a realidade por mais doída que ela possa ser.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Lembrar é imprescindível. Sem lembranças, como seguir adiante? bjos da amiga que, apesar de silenciosa, sempre está por aqui!

    ResponderExcluir