Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou a simplicidade casada com a verdadeira essência de um ser. Venho de uma família onde todos trazem e trouxeram em suas bagagens um código espiritual único e capaz de transformar palavras em frases complexas e simples, que ampliam horizontes e rompem barreiras. Sou filha do vento, da água, da terra e do fogo. Tenho minhas fases e mudo conforme a Lua. Sou a busca do exato, na medida disforme das coisas que vejo, e minha mente transcreve. Hoje criando este blog, mostrarei o que em gavetas escondia. Beleza, sinceridade, sede de transcrever o que minha alma sente ao se deparar com uma folha e um lápis, pois é desta forma que escrevo. Na simplicidade de um canto qualquer, mas com essência pura dos sensíveis.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

PASSEANDO



Passeando por caminhos verdes, claros, escutava a natureza virgem sem a interferência humana.
O cheiro e o frescor da manhã oxigenavam meus pulmões com a força do povo das matas.
Convidaram-me a seguir os caminhos que poucos homens eram convidados adentrar naquele mundo reservado e escolhido por corações trazendo a bondade e luz.
Senti-me privilegiada e adentrei. Perplexa, meus olhos brilhavam ao ver a magia do lugar oferecido aos visitantes.
Sentei-me perto de um arbusto escutando por horas a fio, histórias de lutas, guerreiros vencedores de grandes batalhas, o respeitável chefe comentava com muito orgulho o valor das matas, dos seus habitantes, da flora e da fauna.
Olhou-me seriamente fitando meus olhos e perguntou-me: O porquê dos homens brancos entre outras raças estarem destruindo uma grande importância ao planeta, pelo fator ganância, entre outros fatores não admissíveis aos olhos do povo da mata?
Porque os mesmos estão trocando lugares pré estabelecido como suas moradias e sentem-se no direito de adentrar em outros lugares já habitados; nossa mata?O que temos a fazer é nos refugiar em outros locais, retirando de cada espécie o seu habit natural e onde houver este lugar seremos adaptável ou não, concerteza sempre impossível vivermos ao modo de como são exigidos e retirados a força de um mundo que só a nós pertence. Emudeci, pelo fato de não conseguir responder a altura da pergunta feita. Incrível a sabedoria deste povo em relação ao homem com sua inteligência, tecnologia não conseguindo muitas vezes acompanhar raciocínios tão lógicos.
Pedi desculpas aquele povo tão acolhedor e segui meu passeio com a mesma proteção em caminhos percorridos daquela extensa mata do saber, do proteger e do sentir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário