Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou a simplicidade casada com a verdadeira essência de um ser. Venho de uma família onde todos trazem e trouxeram em suas bagagens um código espiritual único e capaz de transformar palavras em frases complexas e simples, que ampliam horizontes e rompem barreiras. Sou filha do vento, da água, da terra e do fogo. Tenho minhas fases e mudo conforme a Lua. Sou a busca do exato, na medida disforme das coisas que vejo, e minha mente transcreve. Hoje criando este blog, mostrarei o que em gavetas escondia. Beleza, sinceridade, sede de transcrever o que minha alma sente ao se deparar com uma folha e um lápis, pois é desta forma que escrevo. Na simplicidade de um canto qualquer, mas com essência pura dos sensíveis.

sábado, 26 de dezembro de 2009

ANO NOVO

O Ano Novo
Eu comemoro no dia
Do meu aniversário.
É mais um ano de existência,
enquanto que a virada de Ano Novo
é uma comemoração de
mudança de calendário secundário.
No nascimento somos guiados
para a vida
fazendo de cada Ano Novo
uma conquista e renovação.
Que minha virada de Ano Novo,
eu continue com este espírito jovem,
idealizador,
compreensivo,
guiando-me pelo
sim e pelo não.
Por palavras mágicas,
obrigada,
por favor,
com licença,
toques agradáveis mudando
a sintonia ambiente
de forma simples e gentil.
Que o Ano Novo
não se esgote de pedidos,
mas que tenham
atitudes positivas
para tal mudança.
Desta forma giramos a
roda da vida
impulsionando sempre
para frente as
vibrações energéticas positivas.
Desejo a todos,
Uma Virada de Ano
com cambalhotas e o
lúdico abraçando o
místico.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

UNIÃO


Na mão esquerda
Uso uma aliança de união.
Observando bem de perto
notei que é perfeita.
Sem emendas.
Alguns detalhes esta aliança tem
um rosário e gira também.
Uma cruz de ouro
com dez contas
afinal de contas
somos cristãos.
A verdadeira união
consolida respeito
com liberdade
comedida.
Quem não sabe unir-se
que vai viver a vida
da forma
Preferida.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

NINHO DE AMOR




Dois corpos entregando-se
no mais profundo sentimento
fazendo do encontro uma verdadeira
química do Amor.
Duas almas entrelaçadas
entre corpos ardentes
com tamanha vibração.
A emoção transborda pelos
lençóis exalando aos quatro
cantos o perfume da
doce sensação.
O prazer enlouquece o amor.
O amor apazigua o prazer.
Desta fusão
uma paixão invade o
aconchego dos enamorados.
Soltando verbos,
gemidos
declarações
aguardando o momento
da explosão maior.
Explode desejos suados
entre os amantes alucinados.
Adormecem abraçados
em seu ninho de amor.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

TEUS BRAÇOS



Acordei em teus braços
guardo os traços
estes traços que na
saudade confessa
batendo forte como aço.
Lateja
Suporta
Implora a volta do abraço recolhido
em uma só vez sentido.
Volta braços dos abraços
que de calor me afagastes.
Volta felicidade enche meus olhos
e tira as lágrimas que escorrem
no corredor do amor.
Este amor contido, escondido
no peito cheio de dor.
Volta tempo
Recorda agora
Os momentos
Os afagos
Dos abraços
Dos teus braços recebidos.

VIAGEM


Escuto uma música suave
deslizo sobre a folha branca
um lápis que dança em passos lentos.
O pensar, que dizer do mesmo
fica encolhido dando espaço ao
espaço que conduz a bailarina
ao grande ensaio.
São meus,
são teus
misturados e
mesclados num só compasso.
Flutuo
a beleza
torna-se a mesa esquecida.
Me solto como balões de gás
fugindo para o céu.
Quem encontro
Papai Noel.
Seguro em sua mão e
viajo em seu trenó.
Enquanto o espaço coordena o
que ficou por lá.
Tenho que voltar
o que elaboram
já está finalizando.
No encontro entre luzes e fantasias
sou eu quem
viaja nas maravilhas
das grandes colinas de encontros repentinos.
Entre harpas tocando belos hinos.


quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

POEMA DA VOLTA

Necessito de ti
Como quem suplica
Por um milagre.
Retorno à calmaria,
Nesta tempestade de emoção.
Sou um barco sem rumo,
À deriva dos teus anseios
À margem do teu coração.
Porque complicas a vida?
Vive e sente,
Vale a pena ser vivida.
Sem mágoa,
Sem desilusão,
Pois conduzimos o leme da contradição
Num mar de desenganos,
Edificando pela nossa imaginação,
À volta da realidade.
Acredite no presente,
Não deixe passar lentamente
A arte de sermos gente.
No subterfúgio da mente,
Neste estado mórbido
E ausente





NA CASA DA POESIA O MUNDO DE UMA POETISA


SEREIA

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

JORNADA LONGA


Colhi flores com perfumes etéreos.
Exteriorizei-me para um bosque tão imenso e florido.
Acolhido por seres interiorizados, ensinavam-me e
explicavam o diferente mundo que me encontrava.
Minhas perguntas iam além, queria saber e entender o que a ali
havia porque onde eu habitava não existia tal sintonia.
A explicação veio de imediato.
Seu mundo é dentro de você, e onde você habita é um lugar para crescer,
tal como fazem em colher as flores que por lá não existe.
Quando colherei estas flores então?
Você as colhe invisivelmente, com a faculdade do pensar,
do sentir, do ver, do apalpar e uma missão quando direcionada com o propósito do que há para a evolução maior. Ainda que haja flores para colher, sempre haverá espinhos para doer. Entendi a mensagem e conclui que preciso galgar muitas idas e vindas.
Sem esquecer-me de vir colher mais flores, suportando as dores que na vida passamos, por achar que essas dores, são as dores de amores.

sábado, 12 de dezembro de 2009

DOIS EM UM


No corpo de mulher tem
beleza, sutileza,
Aconchego, sedução.
Embriaga os sentidos
No deslizar de mãos.
Beber da seiva
Do amor contido,
Tem que ser um
Homem sabido.
Aquele que murmura
E te faz entrar
Em êxtase.
Com roçar de corpos
Suados e molhados
Do desejo escorrendo
Misturados aos sentidos.
Voam ao longe, juntos
Ou separados.
Unindo desejo, amor, paixão
Próprio dos enamorados.
No murmúrio do próprio silêncio
Descansam os momentos do
Encontro e da sintonia
Dos pensamentos.

O QUE É O QUE É.


Sou eu quem te segura,
Agarra-te, te pendura.
Vens molhada, esperamos
O sol e a lua.
Vem o vento nos embala,
Seguro firme para que não caia.
Sou forte e equilibro-me ao segurar-te.
Muitas vezes bem leve ou muito pesada.
Não importa o esforço, tenho reforço.
Mas o esforço de mantê-la presa me enfraquece.
Sou substituível e lá vem outro e te agarra, lhe segura.
Somos muitas vezes separados, você ao lugar
Predestinado eu fico pendurado ou guardado,
Aguardando sua volta.
Sabe quem eu sou...
Um pregador de roupa.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

MÃO-DE-OBRA GRATUITA


Trabalhamos constantemente com a mão-de-obra da caridade. Levando um pouco de afago aos que necessitam. Tem a mão-de-obra espiritual que auxilia e conduz esta obra e inspeciona, edifica o seu caminhar para um abrigo de paz.
Para algumas pessoas algo difícil de realizar, enquanto outras levantam as mangas e trabalham horas e horas, quando muitas vezes faz hora extra e o pagamento é com a felicidade da troca.
Alguns procuram a felicidade nos outros, ela está guardada dentro de nós. Muitas vezes tão escondida, que contratam mão-de-obra amiga e começam a sentir momentos de felicidade.
É um trabalho árduo, constante e sem fim.
É o alicerce principal para edificar a vida e seu caminhar...
O sindicato da mão-de-obra da caridade convoca todos para uma reunião.
Pensam que é para fazer greve, não.
Sim, contratar mais irmãos dispostos a unir-se em prol
de melhores condições para o viver.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

LIDANDO COM OS SENTIMENTOS



É difícil lidar com os sentimentos.
Os abstratos são tão sentidos
quanto queimar a mão no fogo,
ser atropelado, enfim dores
que sabemos explicar e a
outra sentimos no recolher
de nós mesmos.
Imaginemos viver sem sentimentos,
abrange todos os bons e os ruins.
A força dos sentimentos nos faz,
cair ou levantar.
Muitas palavras ditas nos rebaixam ou
elevam-nos, ao ponto de expressar
nossos verdadeiros sentimentos.
Induzir sentimentos bons e repassá-los
é contagiante.
Um sorriso, um cumprimento,
um elogio, um abraço fraterno,
sentimentos demonstrados publicamente
que irradiam um leve toque
no íntimo.
Muitas vezes quando recebo um e-mail,
falam tanto, quanto tê-los ao meu lado,
transfiro este bem querer, que vem
galopando por uma rede ao meu encontro.
Leio, releio, muitas vezes fico emocionada e
sinto um abraço virtual a me abraçar.
Transformar sentimentos anestesiados
em sentimentos vivenciados.
Esconder o que temos de mais verdadeiro
é esconder-se de si mesmo.
Que os sentimentos venham aflorar seja
na alma, na pele, no desejo, mas que seja,
compartilhando vidas e unindo
pessoas, sempre doando o melhor de ti.


quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

CARAVANAS DE SABEDORIA



Em caravanas seguem o povo cigano, em busca de aconchego.
Suas bagagens são sorrisos, sabedoria,
riqueza material pelo bom gosto
e a riqueza espiritual,
originada de luz que
determina o saber.
O cantar deste povo vibra em sons de ternura.
Em cada canto deixam suas marcas,
estendendo além do momento
que presente está.
Com o vibrar dos passos e danças,
enfeitam as noites pelas estradas e caminhadas,
rumam ao encontro de outros povos.
Trocam idéias, surgem conselhos,
fazem da festa um momento acolhedor.
Neste encontro multiplicam sorrisos, energias
tornando-se excelentes companhias.

PÁSSAROS


De galho em galho
Pulava o pássaro a cantar.
Descortinava a natureza
E conduzia seu cantar
Exibindo um som espetacular.

O sol brilhava tanto
Com esplendor de um rei.
Descortinando sobre o verde,
O frescor da mata que
Pássaros cantavam e
Em coro desfrutavam.

De imensa beleza
Onde expõe a natureza
Aos olhos dos homens.
Que trazem para si
Estes pássaros criados soltos,
E na prisão tem que ficar.

Haja pássaros, para tantos homens
Que procuram sem cessar.
Alguns vendem,
Outros negociam ou
Sentem vontade de matar.


terça-feira, 8 de dezembro de 2009

DESESPERO DE UMA ALMA


No lamento de um beco
Ecoa um soluço de dor.
Uma dor de saudade
Que invade um peito sem amor.

São lágrimas caindo
Sem rumo e com
Destino de transbordar
Num rio de emoção
Guardado no coração.

Em soluços da própria perda,
Ressurge lembranças, remoí
A vida, virando-a do avesso,
Parti com dor,
Uma vida sem progresso.

São gritos de esquecimentos
Numa vida de delírios
E conforme a própria Lei,
Transferiu o que um dia retribuiu.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

ANDARILHOS DA VIDA


Num corpo magro e faminto,
Na esquina, ele está todos os dias a mendigar.
Ignorado, outras vezes visto,
Recebe uma esmola e nada mais.
Segue ele rumo ao melhor que lhe convém.
Sem rumo de vida e sobrevida,
caminha em busca...
Surgem limitações, dores, temor, tristeza, angustia, mas ele segue sozinho.
Sem um sorriso, um abraço, um carinho.
Assim segue o andarilho que a vida não queria,
mas ele insiste em querer.
Parando vamos analisar,
quantos irmãos sendo sacrificados nas ruas,
pela falta de estrutura familiar.
Sentem fome de pão sim, mas fome de amor muito maior.
Quantas famílias desestruturadas,
porque se esquecem de sentimentos que
unem e fazem uma corrente de elos
firmes e fortes.
Surpreende-me ainda mais, em termos que conviver com tanto maus tratos,
mendigos, viciados, crianças, enfim uma escala decrescente
para a evolução do ser.
Quantos estacionados sem combustível para um
seguir com dignidade, e quantos perdeu a sua
por outros que não os tem.
Assim seguirão os andarilhos da vida,
Até quando não sei.


sábado, 5 de dezembro de 2009

SEGUINDO PASSOS




Seguir passos, não é andar atrás de alguém.
É seguir ao lado, buscando compreender as pessoas.
Hoje os amigos podem ser mantidos, mas as épocas mudaram, os costumes são outros.
Sigo alguns passos, mas gosto dos que andam juntos, não gosto de passos largos nem dos devagar, imagina os afastados.
Seguir passos de exemplos que edificam mentes aquece corações, mãos que seguram e levantam palavras proferidas com carinho, olhos que sabem brilhar e lagrimejar com sofrimentos alheios.
Braços fortes para afagar com o mesmo sentimento retribuído é assim que devem ser conduzidos nossos passos e seguindo passos.
Que os façam bailar em sinfonias de harmonia, mesmo que estes passos sendo teus e um dia tropeces, que exista outro passo que levante e ajude a seguir em frente.
Seguirei sempre passos que me levem nas alturas, mesmo assim terei alguns passos esperando caso eu venha cair.
Seguiremos juntos e nestes passos retribuiremos o que mais importante carregamos como bagagem, para um melhor viver e deixando marcas quando
um dia for seguir viagem.



MUDANDO CONFORME A LEI

Na direção do horizonte, observava a clareza que a natureza explicava o quanto tínhamos a observar. Da praia avistando o mar e em sua volta tanta beleza, onde tantos homens não conseguem enxergar.
Sua capacidade de criar é franzina diante da natureza exposta e composta de lindas espécies, fazendo de cada qual uma parte importante no mundo animal, vegetal entre humanos do mal.
Quem cuida ama, o mundo modificou-se até no mais expressivo sentimento entre a humanidade.
Querem modificar uma beleza de criação única, destruindo-a com tanta rapidez
tornado-a bem mais desgastada e maltratada neste mundo que nos foi dado de presente.
As flores exalam um perfume que jamais os homens farão igual, as flores têm um processo que a própria natureza cria.
Os alimentos enlatados alimentam, mas o que vem da terra seu sabor é de uma nutrição sem ser rotulados.
E assim segue o homem em perseguição a natureza, onde uns constroem outros destroem e reclamam afirmando e indagando o porquê que a natureza está mudando.




MINHA ESCRITA



Sobre ondas de luz, meus pensamentos foram clareando e transbordando entre espaços e lacunas que os versos insistem em formar.
Fui buscar dentro do tesouro guardado no peito e desatei formas de sentir e transpor na escrita. Em um baú de memórias algumas em preto e branco e outras coloridas e fui colocando-as em partes e verifiquei que as coloridas predominavam o que continham no baú que trago interiormente.
Surpresa em não saber do conteúdo e ignorá-las muitas vezes pensando em uma só cor.Mas é assim que prossigo e conduzo a minha escrita vindas do baú.São as mais sinceras palavras que brotam como girassóis em lindos campos,descortinando e virando-se conforme a luz que predomina o dia.
E é desta forma que sigo a escrever com alegria.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

O que você faz para viver bem?


O que eu tenho não me pertence, embora faça parte de mim.
Tudo o que sou me foi um dia emprestado pelo Criador para que eu possa dividir com aqueles que entram na minha vida.
Ninguém cruza nosso caminho por acaso e nós não entramos na vida de alguém sem nenhuma razão.
Há muito o que dar e o que receber; há muito o que aprender, com experiências boas ou negativas. Tente ver as coisas negativas que acontecem com você como algo que aconteceu por uma razão precisa.
E não se lamente pelo ocorrido; além de não servir de nada reclamar, isso vai te vendar os olhos, dificultando assim, continuar seu caminho.
Quando não conseguimos tirar da cabeça que alguém nos feriu, estamos somente reavivando a ferida, tornando-a muitas vezes bem maior do que era no início. Nem sempre as pessoas nos ferem voluntariamente.
Muitas vezes somos nós que nos sentimos feridos e a pessoa nem mesmo percebeu; e nos sentimos decepcionados porque aquela pessoa não correspondeu às nossas expectativas. E sabemos lá quais eram as nossas expectativas? Decepcionamo-nos e decepcionamos outras pessoas também.
Mas, claro, é bem mais fácil pensar nas coisas que nos atingem. Quando alguém te disser que te magoou sem intenção, acredite nela! Vai te fazer bem. Assim, talvez, ela poderá entender quando você, sinceramente, disser que "foi sem querer".
Dê de você mesmo o quanto puder! Sabe, quando você se for, a única coisa que vai deixar é a lembrança do que fez aqui.
Seja bom, tente dar sempre o primeiro passo para a reconciliação, nunca negue uma ajuda ao seu alcance, perdoe e dê de você mesmo.
Seja uma bênção a todos que o cercam! Deus não vem em pessoa para abençoar, Ele usa os que estão aqui dispostos a cumprir essa missão.
Todos nós podemos ser Anjos. A eternidade está em nossas mãos. Viva de maneira honrada, para que quando envelhecer, você possa falar só coisas boas do passado e sentir assim, prazer uma segunda vez... e ter a certeza de que quando você se for, muito de você ainda fique naqueles que tiveram a boa ventura de te encontrar.

CHICO XAVIER

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

REPLAY




Adoro reprisar fatos da memória, descobrindo em pequenos flashes
do que fiz e do que faço.
Descubro idéias não expostas, frases esquecidas, lembranças tolas, momentos inesquecíveis. Replay não só de coisas minhas, mas de filmes, de músicas, de livros e até de pessoas...
Faço replay durante o dia, ou antes, de dormir, tanto replay para que... Para ver o que é útil e fútil,
necessário e básico para um ajuste meu.
Sempre fui assim, não pensem que ando para trás, grande equivoco. Pelo contrário
ando ou até corro muito melhor para o meu aprimoramento interior.
Comparo o ajuste interior com uma bela residência, bonita e bem conservada externamente e vazia e mal arrumada interiormente. Quantas pessoas são comparadas desta forma.Conheço casebres feinhos e interiormente limpos e arrumados enquanto que conheço também mansões belíssimas e por dentro uma falta de organização extrema.
Assim é o replay de fatos, fotos, contos, poesias, histórias, mas de vida vivida de forma arruma ou desarrumada.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Perpetuum Jazzile

Misturando influências que vão do Jazz à MPB, passando por Bobby McFerrin, Stevie Wonder e Bee Gees, o grupo esloveno conduzido pelo maestro Tomaz Kozlevcar tem mais de 25 anos de carreira, e só agora caiu nas graças do Youtube em razão do show que eles dão com a música Africa da banda Toto no Vokal Xtravaganzza 2008. Querem ver?


PARTE DE MIM


Uma luz inundou meus olhos,
bagunçou minha barriga,
aconchegou-se em meu útero e
lá quietinho estava.
Acomodando-se conforme o
seu crescimento, enchendo de amor
o coração desta mãe.
Os dois em um,
no sossego do amor,
na felicidade do nascer,
do nascer de uma vida
composta por dois, que formando três unem-se
em laços como elos de uma corrente.
Caso algum elo venha a partir, o de
mãe permanece unida
pelo cordão umbilical invisível
da vida.
Mais uma vez chega outra luz inunda meus olhos,
bagunça novamente, retorna os nove meses e pratica
o ato de luz no momento esperado.
O tempo passa, os filhos crescem,
tomam rumos, seguem caminhos,
descobrem atalhos.
São levados pela ânsia da vida,
ligados pelo laço sanguíneo e o
amor que pulsa no peito contido.
Parte de mim deixa duas vidas
e seus seguimentos, onde formarão
uma seqüência de outras vidas que virão.

FAGULHAS SALTITANTES



Certos mundos interiores são pequenos pela mesquinhez .
Agigantando inúmeras práticas de um mundo carnal visível.
Os tempos, os dias, as horas, são reações que o transformar
das estações e ocasiões ocorrem no microcosmo do ser humano.
Resumem-se a um Universo pequeno sem visão além mundo.
Os seres são fagulhas saltitantes em macrocosmos e microcosmos.
Seres em evolução constante sejam ainda na selvageria dos dias
cotidianos e repassados em noticiários sejam os mais ou menos evoluídos,
com ampla visão de construção com alicerces firmes, ajudando os próximos.
Ficando mais próximo dos menos favorecidos pelos mundos interiores
da vida terrena e passageira.
Enfim, os evoluídos, sofredores da carne, iluminados no espírito,
Cumprindo uma missão de honra diante do traçado escolhido.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

LADOS OPOSTOS

Pensamentos que rodeiam nossa mente, dividindo-o em dois lados opostos.
Temos dois gênios embutidos em uma janela de cada lado do inconsciente.
Um predomina o Bem o outro o Mal.
Existe o equilíbrio moderado e dosado para o uso dos lados opostos.
Alguns usam o Bem se vestindo de Mal, e o Mal por sua vez veste a roupagem do Bem.
Conscientemente o Bem dominador e guerreiro em busca de equilibrar seu estraga prazer o Mal.
Encontram-se muitas vezes em grandes conflitos com o lado bondade e da maldade. Ser bom, não é ser bobo. Ser maldoso é amargurar e pisar em corações desarmados de antídotos contra o veneno lançado por prazer.
Os lados opostos se atraem por incrível que pareça, comparado a vida e a morte, tão temidas e sempre vencidas por romper barreiras.
Os lados opostos que sempre faça romper a barreira do Bem e explodir em gotas de orvalho para o bem estar em geral.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

PASSEANDO



Passeando por caminhos verdes, claros, escutava a natureza virgem sem a interferência humana.
O cheiro e o frescor da manhã oxigenavam meus pulmões com a força do povo das matas.
Convidaram-me a seguir os caminhos que poucos homens eram convidados adentrar naquele mundo reservado e escolhido por corações trazendo a bondade e luz.
Senti-me privilegiada e adentrei. Perplexa, meus olhos brilhavam ao ver a magia do lugar oferecido aos visitantes.
Sentei-me perto de um arbusto escutando por horas a fio, histórias de lutas, guerreiros vencedores de grandes batalhas, o respeitável chefe comentava com muito orgulho o valor das matas, dos seus habitantes, da flora e da fauna.
Olhou-me seriamente fitando meus olhos e perguntou-me: O porquê dos homens brancos entre outras raças estarem destruindo uma grande importância ao planeta, pelo fator ganância, entre outros fatores não admissíveis aos olhos do povo da mata?
Porque os mesmos estão trocando lugares pré estabelecido como suas moradias e sentem-se no direito de adentrar em outros lugares já habitados; nossa mata?O que temos a fazer é nos refugiar em outros locais, retirando de cada espécie o seu habit natural e onde houver este lugar seremos adaptável ou não, concerteza sempre impossível vivermos ao modo de como são exigidos e retirados a força de um mundo que só a nós pertence. Emudeci, pelo fato de não conseguir responder a altura da pergunta feita. Incrível a sabedoria deste povo em relação ao homem com sua inteligência, tecnologia não conseguindo muitas vezes acompanhar raciocínios tão lógicos.
Pedi desculpas aquele povo tão acolhedor e segui meu passeio com a mesma proteção em caminhos percorridos daquela extensa mata do saber, do proteger e do sentir.

CLARA NUNES - NOSSA RAIZ -SALVE,SALVE









terça-feira, 24 de novembro de 2009

UMA IMAGINAÇÃO SEM JUÍZO


Instigador este título, quantos de nós já tivemos, teve e continua a ter uma imaginação sem juízo.
Quantas vezes imaginamos algo insensato, que demonstra não termos juízo com a própria realidade.
Imaginamos sempre um amor que ilusoriamente queremos padronizar como moldes, então usamos agulha e linha alinhavando e costurando ao nosso modelo ideal.
Quantas vezes choramos ao debruçarmos em uma janela, descortinando o que nos é mostrado diante de onde nos encontramos, e baixinho pedimos a tal saudade que vá embora ou traga aquele momento ao momento pedido.
A essa imaginação sem juízo, o que daria sentido a vida, só o juízo?
Quantas loucuras cometidas entregues ao bom senso, nada lógico, mas real diante da escolha feita a procura de emoções diferentes.
Somos sem juízo, para podermos ter uma imaginação única,
Seja para uma realização
Ou uma perdição.

AMOR ALÉM DA VIDA - CÉSAR E PAULINHO)

Esta música é marcada por um momento mágico,quando encontrei meu companheiro,amante,amigo,cúmplice e marido,realizamos nossos objetivos,lutas diversas,sonhamos juntos para concretizarmos o ideal de cada qual, enfim tudo que rega um relacionamento com respeito e amor.Concerteza é um amor além da vida.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

MISTÉRIO DA NOITE



O céu está bordado de estrelas cintilantes,
Suspensa no infinito percebo a magia que a noite trás a todos
Os noctívagos.
Consigo reunir o bom, em tudo o que faço pela vida.
Eu queria me ausentar de tudo e de todos e
Sair pelo mundo para viver a minha solidão interior.
A queda ultrapassa a força do temor e deixa
Na face, dura ânsia, cansaço, e em seu caminho
Um fragor que ilumina.
Cegos buscamos outras vertentes.
Suor de sonho plantado e cultivado
Num rio que se amplia e se espraia
Na areia de estranha nostalgia.
Porque viajamos rios de enigmas
Subtraídos da alma?
Naveguei no cais dos sonâmbulos
Nas fulgurantes crinas da angustia.
Distancias dissolvida nos vôos.
Porque o dia é inconstante
Como a noite.

METAMORFOSE

No mundo dúbio,
Do corpo insano, a metamorfose acontece.
A miscigenação dos sentidos
Na hora fatal cria
Um estado profano.
A mente divaga,
O corpo se acalma,
A mente se apaga,
Transformando-se pouco a pouco,
Num ser desvairado e louco.
Onde o sol brilha a noite e
Nas manhãs de primavera
O luar floresce.
Na metamorfose do sonho,
A vida fenece,
A noite entristece,
O corpo padece
Na alcova emudece.

UM DIA DE DOMINGO





Domingo. Fim de tarde,
Uma névoa apaziguadora caindo
Sobre a apagada cidade,
Em suaves gradações de cinza.
Vejo o horizonte de água e céu
A perder de vista, azul, sobre azul,
Verde sobre verde, verde-azulado.
Vejo ondas sucessivas a se quebrarem na areia,
Suaves perto da praia, com flores brancas de espuma,
E mais alta à distância, cavalgadas por remotos surfistas.
Vejo a imensa extensão cor de sépia da areia dura,
Que reflete mar e céu, como pálido espelho,
Nos trechos onde é lambida pelo mar.
Vejo, mais além, milhares de estrelas cintilantes
Que o vento agita sobre a encarapinhada
Amplidão das águas.
Ligo a televisão e mais um Fantástico começa.

Minha Vila Minha Escola

Minha Vila, Minha Escola
Release

“Minha Vila, Minha Escola” é um CD de resgate cultural, idealizado, dirigido e produzido por Luciano Candemil, músico, compositor, produtor e carnavalesco. O CD contém 12 sambas-enredo antigos da Sociedade Recreativa e Carnavalesca Escola de Samba Vila Isabel, gravados com novos arranjos, tendo como principal intérprete, Helinho da Vila, guardião e memória viva do carnaval lagunense.

Esse CD é a continuação de um primeiro projeto de resgate cultural realizado em 2008, quando Luciano Candemil - receoso de que parte da história da S.R.C.E.S. Vila Isabel se perdesse quando aqueles que têm a memória desta não mais estivessem conosco -, resolveu reunir, recuperar e registrar os sambas-enredo da Vila Isabel em um livreto, como parte da comemoração do cinqüentenário da Escola, de tal modo que esse os salvaguardasse, por escrito.

Desse modo, partindo de pesquisas em arquivos pessoais e da recuperação de áudios por meio de consultas feitas com o compositor mais antigo da Escola, Helinho da Vila, foi possível transcrever, revisar e publicar praticamente todos os sambas-enredo criados por seus compositores. Vale frisar que desde sua fundação, em 1958, até 1977, a Escola executava em seus desfiles os sambas-enredo da G.R.E.S. Unidos de Vila Isabel, do Rio de Janeiro. Somente em 1978 a S.R.C.E.S. Vila Isabel executou o seu primeiro samba-enredo autoral, “Tamango”, composto por Helinho da Vila.

Entretanto, Luciano Candemil teve sempre presente à idéia de transformar esse livreto em dois cd’s, o 1º intitulado “Minha Vila, Minha Escola”, cujo qual tem seu lançamento marcado para o dia 28 de novembro desse ano e, um 2º volume, a ser produzido em 2010.

Para que esse primeiro volume se concretizasse foi necessário um período de laboratório antes de ser dado início à fase de gravação, no qual áudios de gravações caseiras foram desenvolvidos e onde, por conseqüência, os sambas-enredo ganharam, ao longo desse processo, novas roupagens. Esses áudios foram coletados em reuniões familiares na casa da Dona Marina, no Morro da Vila, berço de grande parte dos sambas da escola.

Após esse período de laboratório iniciaram-se as gravações. Estas aconteceram entre os meses de março e junho de 2009, na Euterpe Estúdio, em Laguna, contando com a participação de vários músicos da cena local, como: Helinho da Vila (voz), Marcelo Quilha (violão), Lúcio Fraga (violão 7), Renato Demétrio (cavaquinho), Fabiano Caffu (tantam), Jair Neto (pandeiro) e Luciano Candemil (percussão). Além disso, tivemos também a participação de convidados especiais como: Antonio Luiz dos Reis, Mary Reis, Heleine Brasil, Jheferson Rincom e Thales Faísca.

Por fim, temos registrado nesse CD uma seleção de doze sambas-enredo antigos da Escola apresentados na seguinte ordem: Tamango (1978), Xingu – Sinfonia Tropical da Amazônia (1979), Fantástico, Show da Vila (1980), Raízes (1981), Quem Diria (1982), Quem Viu, Viu, Quem Não Viu, Verá (1983), Tambo, Legendário do Sol (1984), Coisas do Arco da Velha (1985), Hoje Como Ontem, Amanhã Como Depois (1986), Sonho Sonhado de um Brasil Dourado (1987), Recordar é Viver (1992) e O Sonho Africano no Brasil Livre (1994). O Cd conta ainda com uma faixa bônus, "Escola Internacional", canção composta por Helinho da Vila em 1971, uma referência à viagem da Vila Isabel à Argentina, no ano anterior.

Importante destacar que esse projeto teve o apoio do Governo do Estado, por meio do Funcultural, fundo de incentivo à Cultura, gerido pela Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, e patrocínio exclusivo da ALCOA.

... “Se recordar é viver, a Vila vai mostrar para vocês”...

Luciano Candemil


sábado, 21 de novembro de 2009

Brincar de viver

CREDO E CREDO-EM-CRUZ



Credo uma crença, fé religiosa, contestações, fanatismos, mistérios, outros céticos, muitas vezes crenças ocultas, outras mostradas e aguçadas ao ponto de crer e ser credor a cada dia de experiências vividas.
Quando escuto Credo-em-cruz, me pergunto: Porque tanto espanto, diante do manto que cobre os olhos de quem não os vê. Comparo a uma narração que fiz sobre as religiões e suas crenças. (Minha maneira de pensar)
- Certo dia um homem vindo do espaço celestial, se encantou com o planeta Terra, veio para propagar o Amor, Caridade, enfim só sentimento construtivo para mostrar aos seres que aqui habitavam e em ciclo vão e voltam. Resolveu ter muitos filhos, mas com um, porém, com muitas mulheres diferentes escolhidas como mães, nascendo vários credos.
Blasfêmia, Credo-em-cruz, apenas simplificando a forma que muitas vezes o desrespeito e uma grande contrariedade no que cremos.
Com tantos vínculos formaram-se os irmãos(credos) e suas adversidades, normal entre pessoas que mal se conhecem e pertence à mesma família. Pensam de forma diferente não respeitando todos os credos e muitas vezes quando os conhecem vem logo a frase
CREDO-EM-CRUZ.
Simplificando em uma frase para tanto espanto: DEUS É ÚNICO, SUA PROCURA DEPENDERÁ DE CADA QUAL ONDE BUSCÁ-LO.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

SEMPRE


Sempre canto instante diversos.
Canções com que a alma se expande de mãos dadas
com as lembranças.
Renasço cada momento, neste amor que se propaga,
neste ciúme tolo, até pretensioso que aos poucos no meu peito desata.
Ontem ciúmes... Mil desconfianças...
Hoje, não quero saber onde andas.É uma emoção diferente,
com o tempo diminui mais.
Neste jardim de surpresas passa a ser a vida ausente.
Das tresloucadas perdidas noites em questionamentos
inúteis.
Hoje, sempre atenta, vou levando no turbilhão de ânsia e suspiros,
deste amor que nunca se apaga.
É fagulha que me incendeia, é como ondas quebrando na areia.
Sempre percebi,que não fui eu que te achei.
Eu, sim, é que me perdi.








MEMÓRIA INEXATA




No espaço e num tempo,tão incrível,tão intenso e
tão denso.Construí com tanto
desvelo,um esboço de vida.
Percebo que se vai afastando
o projeto principal e original
bordado de angústias,grávido de promessas,
vestido de névoas,prenhe de luzes,
redondo de mágoas,intenso de alegrias
que era então a
mola propulsora para
um futuro melhor.
Olhar para trás
nada resolve,
nada mais constrói,
nada mais ressurge.





quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Maria Bethânia - Tocando em frente

NÃO ME PERDI DE TUDO


NÃO ME PERDI DE TUDO
RESTAVAS EM MIM NO MÚRMURIO
E NA PRECE.
COMO SE FOSSES
O MÚRMURIO E A PRECE.
SÓ ME PERDI DE TUDO
PORQUE ARTIFICIALMENTEME ENCONTREI
NOS BRAÇOS DO SONHO.
NÃO HAVIA CAMINHO
MAIS FÁCIL DE PERCORRER
QUE O TEU SEGREDO.



SOSSEGO



Sossego nas ruas em dias de feriado.
Apreciou a beleza da cidade que não é notada.
Sinto o cantar da passarada, cujo canto atravessa ruas e avenidas.
No sossego da noite acalento meu pensamento envolto de alegria, ao recordar do início do dia.Juntando as peças do ontem e do hoje,descubro o brilho e a esperteza quando criança.Tornei-me adulto dono do meu destino,onde me guio, sigo e vou avante.Na vida temos sonhos e pesadelos,
amores e temores,
dias frios e dias quentes,
muitas vezes tristes ou Extremamente contentes.





quarta-feira, 18 de novembro de 2009

APURANDO OS SENTIDOS, SENTIDOS.

Aprimoro meus sentidos em busca do domínio da Audição.
Verifico que o silencio não permite que eu repouse, pois vai de encontro
as vozes soltas que juntas formamos um elo de letras, frases, poemas...
Determino ao Paladar de sentir o sabor da escrita, degustando e digerindo
Pensamentos em forma de alimentos balsâmicos e salutares.
Proclamo ao Tato, que sinta o tatear de mãos unidas, simplificando e dando significado ao lápis que conduzo.
Peço ao Olfato, que sinta o cheiro da brisa embriagadora de perfumes celestiais que transbordam
Onde estou em um jardim do Universo.
Minha Visão fica turva e ao mesmo tempo límpida,
Sabendo que o sexto sentido trabalha em prol dos cinco sentidos, determinando um propósito, uma lógica elementar na busca pelo mistério dos pequenos envolvimentos místicos além esfera.
Para um lugar que demanda o triunfar.

AQUARELA - TOQUINHO

SOMBREANDO





Sombreado está o dia, a vida, a alegria, o amor,
Os quadros e seus pintores sombreando cores e pigmentando telas,
Aquelas aonde vêm o lúdico, paisagem, colagem.
Sombreado está à noite, com o recolhimento dos artistas, pintores, poetas,
Compositores, cantores, atores o que representam a vida em atos, fatos, contatos, de fato o sombreado aos meados de tantas apresentações.
Neste grande espetáculo de sombreados, pelos cantos do mundo.
Em preto e branco, em tom pastel, de infinitas cores, todas belas, singelas de acordo
Com cada sombreado, que seus personagens têm empregado na composição da arte em forma de sombreado.



terça-feira, 17 de novembro de 2009

RENOVAÇÃO




Se já no amor me sinto transtornada
Porque na direção não vejo norte,
É que esse amor de todo renovado
Não promete ternura e nem o porte.

Da ânsia e da ilusão do que se foi
Mas voa, pois se em feliz adivinho
É que minha alma vibra e pressupõe
Que há semente de flor nesse caminho.

Sigo, vivo canto. Até me prendo
Na certeza do tempo que não passa
Porém se a solidão me surpreende
Desconfiada. Incerta. Não por ti
Mas por receio que esse amor me faça
Sofrer de novo aquilo que sofri.

"PARE PRA PENSAR"

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

PACIÊNCIA - LENINE

O MUNDO DE UMA POETISA


Neste mundo exponho o que escrevi e o que ainda irei escrever.
A Luta pela Lembrança com Asas da Liberdade estão no meu Melhor Momento
Porque não Me Perdi de Tudo e em Fila, expresso o que trago neste Coração sem Limites.
O Tempo, O Que Queres Saber.
Comparando, Dia Inútil... Dia Vazio...
Do Fundo do Meu Coração me sinto Exuberante, Mimosa um Paradigma.
Em Passos, na Penumbra O Tempo com A Missão da Arte de Amar qual será o sentido do Reflexo do Ontem e o Soneto da Volta.
É Um Presente de Deus, Tua Presença, Tuas Mãos, o Sossego, o Viver, a Surpresa, o Guardião de Luz, é Sério Demais, fazendo com que eu Voei Além de Mim.
Foi Aparando as Arestas, juntando os Fragmentos muitas vezes senti o próprio Poema em Fuga.
Despertei e fiz de Cada Amanhecer uma Eterna Busca.
Pois é Preciso Marcar Presença, mesmo em Dia de Chuva, sendo um Camaleão onde a Transformação e as Máscaras,
Volta no Tempo, Destelhando,Divagando, Recortando e Colando comentários.

sábado, 14 de novembro de 2009

UM DIA DE CHUVA



A chuva miúda veio no fim de tarde e aos poucos envolveu a pequena cidade.
Ao fechar a janela, perdura a visão do reflexo das luzes a escorrer das folhas da
Laranjeira, no terreno do vizinho.
O relâmpago se repete azul e cortante.
Começo então, a suposição sobre o amadurecer.
Amadurecer é buscar a paz no equilíbrio precário.
Saber-se e aceitar-se incompleta e confusa em latitude e longitude e é sofrer com a impossibilidade de plena harmonia (plenitude) lutando, embora, para encontrá-la.
O ser humano não sabe que está amadurecendo e julga-se infeliz.
Soubesse não ser necessário vivenciar o extremo oposto da posição anterior para evoluir e avançar, e tornaria o sofrimento como escola e escala de evolução e progresso interior.
Evoluir é ver que também está em nós e fortalecer o que detestamos nos outros.
A chuva cessa. Meus pensamentos também.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

DIVERSIFICAR

SADE - BY YOUR SIDE



SADE LIVE - YOUR LOVE IS KING



Sade Live - Love Is Stronger Than Pride


quinta-feira, 12 de novembro de 2009

IRISAR



Tornei-me um arco-íris depois da chuva fina que no horizonte despontava.
Irisar foi o momento que comecei aparecendo com as cores luminosas e brilhantes que em um arco, as gotículas caiam sem penetrar no grande mistério do arco-íris.
Os pássaros bailavam, dançando com as cores que eram vistas e colorindo suas plumagens.
O bailar das cores, encantou a própria natureza.
Irisar os vales, montanhas, rios, mares, é um espetáculo de matizes naturais que são próprias dos seres interiorizados com seu Eu e com o Universo.
Irisar a vida é dar sentido a cada momento em cor diferenciada, plantando cores,
Colhendo luz nos momentos que meditava.

Flávio Venturini - Amor de Índio

SONHO

Neste sonho vou roubá-lo e levá-lo há um mergulho profundo.
Será um sonho mesclado, misturando corpos, desejos e anseios.
Bailaremos num ritmo frenético, nossos corpos encostados vibrarão com a música, embriagando nossos corpos suados a deslizar mãos e os lábios sugando até a alma,
Faz emudecer o impuro desejo.
Sonharemos juntos, para não frustrarmos nenhum de nós.
Vibraremos no mesmo acorde, para quando eu acordar lembrar-me da música,
Do ritmo, da embriaguez de beber teu suor de prazer.
Irás partir do meu sonho e quando a realidade voltar no tempo.
Serei tua da mesma forma.

DESTELHAR

Pudera eu destelhar os telhados humanos,
Queria descobrir seu interior e fazer deles um abrigo de amizade e felicidade, esta procura que paramos o mundo com dedos da imaginação, buscando por verdades, engolindo mentiras. Menosprezando nossa inteligência.
Destelharia os telhados de vidros, estes que reluzem ao dia, ofuscam de noite e frágeis com o vento.
Bem dizem que todos os telhados são de vidros, e concerteza os que atiram uma pedra vai quebrá-lo. E uma telha quebrada abala a estrutura e deixa uma goteira, mesmo que não chova.
Quanto mais pedras atiradas, muito mais goteiras a serem consertadas. E dentro da casa interior , sem calha escorre ao canto mais sensível da casa, o coração. Este que pulsa e destelham as suas fibras interligadas ao bem estar.
Portanto, não devemos destelhar e sim consertar tantas telhas quebradas e destelhadas.


ALTA-COSTURA














Há nomes espalhados pelo mundo evidenciando os grandes estilistas com suas peças exclusivas e de grande valor financeiro.
Existem outros, que derrubam os grandes estilistas com suas máquinas a desfilar de forma diferente.
Perfilados, separados costurando o grande tapete preto. Com seu zig zag em cores diversas e fazendo da alta-costura um preço sem preço, a própria vida.
Muitos não provam, outros sim as picadas de agulhas, ornamentam suas vestimentas carnais com platinas, pinos, parecem reciclados e outros se tornaram homens ciborgs.
Afirmando que é a maior adrenalina, em parte.
Quando sua costura sai mal feita, recebem uma dosagem de adrenalina evitando que a vida escorra pelo tapete do grande desfile. E assim seguem no mundo da alta-costura, muitos aparecendo nas capas de jornais e outros nas páginas policiais.








quarta-feira, 11 de novembro de 2009

ETERNA BUSCA

Descubro meu reflexo obscuro,
No fundo do meu céu extemporâneo
Dei-te de mim o quanto sobrevive
Coloquei-te nas formas de uma espera
Pra continuar... Dei-te o bastante
Há crenças deslizando nos meus traços,
No adormecer contigo em pensamento,
Na sublimação do que não sou,
Na pureza dos gestos...
Deixo um abismo de asas e inquietude
Num abstrato de ternura e paz.
Apesar da saudade que desgoste,
Prefiro te buscar, em cada ponto do infinito
E do sonho. Esmaeço.
Dentro do nada que meu sol desponta,
Em busca de um horizonte na memória.
Serei o reflexo de tudo o que girar e for,
E vir a ser.
Viverei a incerteza de todos os sentidos,
Porque te quero bem, apesar de tudo.